OAB espera por mais medidas judiciais sobre a escolha de lista Sêxtupla

Campo Grande(MS) – A eleição realizada 29 de abril, em sessão que durou 11 horas, escolheu,  Alexandre Bastos, Honório Suguita, João Arnar, Gabriel Abrão Filho, José Rizkallah Junior e Rodolfo Souza Bertin. No último, a disputa ficou entre a dupla Rodolfo Bertin e Fábio Trad, ficando a vaga com Bertin, que obteve 17 votos. Em todos os turnos, Trad “bateu na trave”, sendo o primeiro entre os não escolhidos naquela fase. O resultado desagradou um grupo, que a contestou na Justiça. Desde então, várias ações tentam barrar a lista, alegando que candidatos que não atendiam os critérios pré-estabelecidos para participar, integraram a lista de 17 concorrentes e a com os seis escolhidos.  A Justiça Federal indeferiu no dia 29 de julho passado uma ação que tentava barrar a lista sêxtupla.  Os seis eleitos são advogados que, no curso natural do processo, passarão por avaliação do TJ, selecionando três nomes. Depois,  três advogados vão para aprovação do governador, que escolhe  um deles para ocupar a vaga, conforme o dispositivo constitucional que prevê 1/5 das vagas de desembargador para advogados – escolhidos em pleito na OAB – e membros do Ministério Público – há um revezamento entre ambos quando surge a vaga. O presidente de Ordem Elias Karmuche confirma a Rádiowebms que a escolha aconteceu dentro da normalidade e comenta

Segundo o advogado Luciano da Silva Martins, que irá entrar com o recurso, além dele, outros sete advogados irão contestar a decisão do TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região – que atende Mato Grosso do Sul e São Paulo. Mansur Karmuche, disse que querem politizar a eleição da OABMS. Ouça a reportagem da Rádiowebms;

 

 

João Flores Junior

Foto Divulgação.