OUÇA: Três área são invadidas em Campo Grande, prefeito acompanha e nega uso de truculência.

Campo Grande(MS) – Somente este ano duas mil e 500 famílias  ocuparam áreas na periferia da Capital e ergueram moradias improvidas. Nos últimos quatro anos  foram entregues 5.469 casas, número sete vezes menor que o deficit habitacional estimado   de 42 mil unidades. Na primeira quinzena de janeiro foram ocupadas  três áreas: no Conjunto Paulo Coelho Machado (400 famílias), no Jardim das Macaúbas (192) e no Jardim Samambaia I (27). No primeiro caso, a ocupação fica ao lado de condomínio, inicialmente de responsabilidade da construtora mexicana Homex, que declarou falência e deixou a cidade sem entregar parte dos imóveis. A favela em processo no Jardim Macaúbas, ocupada desde sábado, fica em terreno onde funcionava um clube particular. A terceira área seria, em princípio, sem dono – conforme populares, os antigos proprietários faleceram há muito tempo sem deixar herdeiros e o local ficou abandonado.

 

Na levantamento das  casas, os moradores estão organizados: os terrenos são “loteados”, há previsão de espaços para ruas e diversas moradias são de alvenaria. No Jardim Samambaia I,  são  cinco ruas separando os blocos de imóveis. No local, também ficou definido que não se pode construir barracos de lona.O prefeito Marcos Trad acompanha a ocupação de áreas e disse que vai cumprir a lei e condena a invasão.De acordo com o prefeito levantamento é realizado nas áreas ocupadas, para construção de novas moradias. Ouça a reportagem da Rádiowebms;

Da redação

Foto Valdenir Rezende/ Correio do Estado.