Vereadores dão prejuízo de mais de R$ 370 mil ao erário em R. Brilhante.

Campo Grande(MS) – O Ministério Público Estadual divulgou pela  assessoria de imprensa a quantidade de prejuízo dado aos cofres públicos de Rio Brilhante pelos vereadores envolvidos na “farra das diárias”, alvo de investigação e operação no município. O presidente da Casa, Sérgio Carlos Martins Rigo, foi afastado em razão de ter sido constatado que ele, mesmo depois de instaurado o Inquérito Civil e ser notificado formalmente para tomar conhecimento das investigações e, querendo, apresentar defesa e documentos, em julho do ano passado, continuou a perpetrar as mesmas condutas, e o mais grave, na condição de gestor do dinheiro público.O pedido foi feito pela 2ª Promotoria de Justiça de Rio Brilhante e a juíza Mariana Rezende Ferreira Yoshida acatou o pedido de afastamento.

O total de prejuízo aos cofres públicos foi de R$ 373.512,18.

De acordo com o MPE, as investigações continuam em relação a outros vereadores citados, Célio Soares Cândido, Juraci Aparecida Souza Silva, Dinozete Silveira Marques, João Pedro Alves e José Maria Caetano de Souza e a alguns servidores da Câmara Municipal.As ações ajuizadas dizem respeito apenas aos casos mais graves apurados (maiores valores desviados) praticados pelos vereadores.

Confira abaixo os nomes e valores de cada envolvido:

Sérgio Carlos Martins Rigo (atual Presidente da Câmara) – R$ 78.632,93, sendo R$ 74.507,10 referente a diárias ilegais e R$ 4.125,83 referente às inscrições dos supostos cursos/seminários.

Dejair Gomes (ex Presidente da Câmara)- R$ 87.324,21 aos cofres públicos, sendo R$ 80.680,88 referente a diárias ilegais, e R$ 6.643,33 referente às inscrições dos supostos cursos/seminários.

Giancarlo Mariano da Rocha – R$ 58.155,19, sendo 54.652,69 referente a diárias ilegais e R$ 3.502,50 referente às inscrições dos supostos cursos/seminários.

José de Freitas Neto – R$ 52.911,29, sendo R$ 49.961,29, referente a diárias ilegais e R$ 2.950,00 de inscrições dos supostos cursos/seminários.

Aguinaldo Lima Pereira – R$ 72.485,17 aos cofres públicos, sendo R$ 68.502,67 referente a diárias ilegais, e R$ 3.982,50, referente às inscrições dos supostos cursos/seminários.

Iliê Martins Midal – R$ 24.003,39, sendo R$ 22.770,89 referente a diárias ilegais e R$ 1.232,50 de supostos cursos/seminários.

 

Os vereadores anunciados pelo MPE ainda não se manifestaram sobre as denuncias. 

Da redação

Foto Divulgação.